Kafka meets Orwell na Romênia

Um fragmento do programa “Războiului Sfârşitului Săptămânii” (“A Guerra do Fim de Semana”) da Rádio Guerrilla, apresentado por Iulian Tănase, Mitoş Micleuşanu e Lavinia Iancu, que foi ao ar no dia 25 de junho de 2016.

Iulian Tănase: Encontrei no Facebook, uma história escrita por um cara, Mugur Muraru, que estava na fila na ANAF [Agência Nacional de Administração Fiscal], foi lá para resolver algo. E lá, testemuhou uma cena, uma discussão entre um sujeito, inevitavelmente suado, claro, porque lá o calor era grande, e uma funcionária do guichê de atendimento. O cidadão precisava de uns documentos, apresentou a carteira de identidade e a senhora funcionária diz: “Sinto muito, esse aqui não é o senhor.”

Mitoș Micleușanu: Rá, rá, rá.

I.T.: “Como assim minha senhora, não sou eu? Olhe aí minha identidade, veja a prova”. “Não, o senhor não se parece com esse daqui da foto”. E o cara, exasperado: “Minha senhora, lá se foram dez anos, lógico, meu cabelo caiu, também apanhei muito quando era criança…, claro que não pareço mais com o que eu era antes”. E ela: “Senhor, isso é problema seu, não me interessa. Não posso liberar o atestado que o senhor solicita com base nesses dados.”

M.M.: Nossa!

I.T.: Então, o sujeito não correspondia mais com o da foto.

M.M.: Que coisa!

I.T.: Em dez anos as pessoas podem mudar bastante fisicamente. Para os homens, primeiro vem logo a calvície.

M.M.: Sim.

I.T.: Até pode-se perder o cabelo em menos de dez anos.

M.M.: Outros podem trocar de sexo…

I.T.: Aí o cara começou a xingar geral, ficou muito nervoso: “País de desgraçados, não sei quê”, não posso dizer no ar o palavrão que ele usou, “Isso é esculhambação, país de…”

M.M.: Enfim, começou a… certo.

I.T.: E a inspetora, nervosa, jogou a papelada no  chão.

M.M.: Opa!

I.T.: E o cara cada vez mais irritado, então apareceu um policial, um que ficava por lá pela ANAF.

M.M.: Ai, ai!

I.T.: E o policial disse: “Senhor, acompanhe-me”.

M.M.: E tudo se transformou como naquele filme inglês Exit House, também lá é mais ou menos assim que começa

I.T.: Vê só, aí o cara diz ao policial: “Senhor, eu estou desde às 8 na fila. Daqui não saio enquanto não resolver meu problema!”. Pudera, o sujeito estava furioso, suado e cansado, porque vivia na  Romênia e isso já dá muito trabalho. O policial diz: “Fique o senhor sabendo que vou multá-lo”. E o cara diz: “Ei, não pode. Se essa senhora diz que eu não sou a pessoa da carteira de identidade significa que o senhor não tem como me multar”.

M.M.: Rá, rá, boa!

I.T.: Muito boa, e o policial agora tinha que resolver um problema de lógica. “Pois saiba que se eu multo esse cidadão”, disse ela para a inspetora, meio atrapalhado, “Saiba que se eu multo o cidadão, então estou certificando o fato de que esse senhor é realmente quem ele diz que é”. E ela: “Não me interessa”, a inspetora continuou sustendando sua posição de recusa. E o policial: “Senhora, eu, como representante de uma instituição do Estado, dou fé que ele é mesmo ele. Compreende?”.

M.M.: Rá, rá, rá!

I.T.: A mulher agora é quem estava contra a parede. E o policial pergunta ao sujeito, ao revoltado: “Portanto, aplico-lhe uma multa ou não?”.

M.M.: Meu Deus!

I.T.: E o sujeito, o cidadão diz: “Se o senhor me dá uma multa, então está claro que eu sou eu, não é?”

M.M.: Rá, rá, rá.

I.T.: Pois foi, Kafka total, é até o nome do post, ‘Kafka meets Orwell’ ou ‘Orwell meets Kaka’.

M.M.: Caso real? Quem foi que passou por essa?

I.T.: Um cara.

M.M.: Recentemente?

I.T.: Sim, um cara relatou essa história dia desses.

M.M.: Muito boa.

I.T.: Então o policial: “Seu eu multo o senhor, resolvido”. “Então eu quero multa, diz o sujeito, pode me multar”

M.M.: Rá, rá, rá!

I.T.: Então o policial preenche a multa, isso na frente do guichê.

M.M.: Oh, my God.

I.T.: E a senhora inspetora, agora fula da vida. E o cara, o multado, diz: “Eu não lhe disse, minha senhora, que eu sou mesmo eu? Agora me dê aí essa papelada para eu assinar”. Portanto, praticamente o cara pediu para o policial dar-lhe uma multa para resolver o problema no guichê de atendimento, porque aquela senhora bateu o pé dizendo que não, que ele não era a pessoa do documento.

M.M.: Isso é coisa de filme, mas se você vê isso num filme vai logo dizer que é forçação de barra, que é exagero.

I.T.: Exatamente, por isso Puiu, Mungiu, Porumboiu e outros diretores fazem sucesso. Porque têm histórias para contar, porque tem acesso a histórias como essa que parecem de fato surrealistas.

M.M.: Sim, mas que podem ser muito, muito verdadeiras, e são mesmo verdadeiras.

 

One Reply to “Kafka meets Orwell na Romênia”

  1. Rsrs… Realmente parece até cena de filme. Difícil acreditar que tenha acontecido de verdade.

Deixe uma resposta para Anna Cybelle Cancelar resposta